Review: Gwen Stefani – ‘Baby Don’t Lie’

Gwen-Stefani-Baby-Dont-Lie-2014

Para alegria de todos, Gwen Stefani está de volta à sua carreira solo. Não que ela junto ao No Doubt seja um problema, mas ela sozinha seguia um estilo bem paralelo de quando estava com a banda. Bem, pelo menos costumava ser.

Não é preciso ser fã de longa data pra perceber a diferença entre ‘Just A Girl’ e ‘Don’t Speak’ para ‘Wind It Up’ e ‘Hollaback Girl’. Mas e de ‘Settle Down’ à ‘Baby Don’t Lie’? Ela poderiam facilmente fazer parte de um mesmo álbum, não é verdade?

Pouco antes do retorno do No Doubt, em 2012, Gwen chegou a falar que jamais voltaria a carreira solo novamente. Planos mudam, ideias se aperfeiçoam e encontram novos rumos, e a primeira coisa que pensei ao ouvir ‘Baby Don’t Lie’ pela primeira vez foi que esse mais parecia um single da nova fase banda levado apenas pela sua vocalista.

Produzido por Benny Blanco e Ryan Tedder, a faixa tem os ‘oh oh ohh ohh’ que nunca falham, mas aqui eles aparecem apenas no final dos refrões. A letra é bem trabalhada, basta um pouco de atenção e rapidamente você já aprendeu.

Gwen tem um vocal bem distinto e a forma como ela puxa o final das silabas é algo que, particularmente, acho extremamente charmoso, por exemplo: “but there’s something behind those eyeeeees, those eyeeeees”, “that you can’t, that you can’t disguiseeeee, disguiseeee”, “I tell you no IIII, tell you no IIII”, e claro “baby don’t laaaaaaa”.

Hoje em dia a gente sabe que existe uma verdadeira dança das cadeiras antes de uma música chegar ao seu interprete final, mas ‘Baby Don’t Lie’ reúne tão bem em uma música o que Gwen é solo e com sua banda que é até difícil imaginar ela fazendo sentido com outra pessoa.

De um certo ponto de vista, o público do No Doubt certamente continua fã dela, mas há dúvidas quanto o contrário – e a julgar que o auge da banda foi no anos 90, os fãs mais jovens sequer devem saber dessa outra faceta da Gwen. Se em algum momento a ideia por trás desse single foi unificar essas duas bases, podem dar o trabalho como concluído. Eu, por minha vez, não poderia pedir nada melhor.