ZAYN faz sentido?

zayn

Mais rápido do que poderíamos esperar, não levou nem um ano desde sua saída do One Direction para Zayn Malik, agora apenas ZAYN, lançar sua carreira solo.

O hype era grande, mas tirando os fãs da banda, a expectativa das pessoas não parecia ser tão alta em cima do rapaz. Talvez essa situação explique bem o enorme sucesso que ‘Pillowtalk’ está fazendo hoje, desbancando o retorno de Rihanna no iTunes dos principais países, afinal, a maioria não esperava algo relevante dele – e bem, não temos como dizer que essa é uma música genérica.

Pra gente, a forma mais banal de elogiar o trabalho de alguém é usar ‘amadurecimento’ como adjetivo. É aquele tipo de argumento vazio que a gente pode colocar em qualquer lugar, no entanto, o risco que Zayn se propôs em não seguir o pop adolescente que lhe rendeu fãs pelo mundo inteiro nos faz fazer uma exceção.

One Direction foi tão forte nos seus dois primeiros anos que ainda é difícil não associar Zayn ao grupo, principalmente porque ele era um dos três com mais destaque entre os cinco. Isso deve fazer com que alguns ache que não há tanta diferença entre os dois projetos, porém, é bem difícil imaginar o 1D lançando algo como ‘Pillowtalk’.

Se a carreira solo de Zayn faz sentido? Pelo que ele trouxe em sua estreia podemos dizer que sim, pois pelo menos não é como se fosse uma parte separada da banda fazendo o mesmo tipo de música que já fazia antes. Para entender isso na prática é só olhar a diferença entre o atual single de cada um (caso esteja perdido, o do One Direction é ‘History‘).

No fim das contas, o single nem chega a ser o tipo de música que a gente queira escutar em repeat, pelo menos não agora, mas se olharmos o histórico de ex-boybands, o que Malik fez hoje é equivalente ao que Justin Timberlake fez em 2002 com ‘Like I Love You’ ou Robbie Williams em 97 com ‘Old Before I Die’. Não é uma estreia brilhante, mas traz a premissa de que algo maior ainda estar por vir.

No caso do ex-NSYNC e do ex-Take That a gente viu que sim, para o ex-One Direction resta esperar para ver se a sorte e competência serão as mesmas.